Assinar Newsletter

Receba novidades, artigos e dicas especiais.

Pesquisa Freela$: metade dos freelancers não têm reserva financeira para emergências

O desejo por maior liberdade no trabalho e a instabilidade econômica têm contribuído para o crescimento do nosso mercado freelance no Brasil. O fato de estar em pleno crescimento, não significa, entretanto, que esse seja um mercado que tenha alcançado a sua maturidade. Prova disso é a relação do profissional freelancer com as suas finanças.

Já tínhamos alguma noção de que essa relação não era das mais saudáveis – inclusive como reflexo da relação da população brasileira com suas finanças pessoais. Porém, sendo este um eixo tão importante para o sucesso de profissionais que atuam de forma independente, decidimos nos aprofundar no tema.

Neste ano, 2019, fizemos a pesquisa Freela$: como nos relacionamos com o dinheiro junto ao público do blog e com o apoio de alguns parceiros de divulgação. Entre as principais descobertas, soubemos que 50% dos profissionais independentes não mantêm nenhuma reserva financeira para emergências. Apenas 21% possuem reserva de até três meses e 29% acima de três meses.

E qual o papel da reserva de emergência para os freelancers?

Entre os resultados obtidos com a pesquisa respondida por 424 pessoas, a falta de reserva de emergência foi, sem dúvidas, o que mais nos impressionou.

O motivo? Para ter segurança financeira em um modelo de trabalho sem benefícios, como férias remuneradas ou auxílio em caso de doença, o ideal é ter uma reserva financeira de, pelo menos, oito meses. Isso garante maior tranquilidade, inclusive, para poder negar projetos com remuneração abaixo do valor desejado.

E, falando em precificação, inclusive, 43% responderam que acreditam cobrar valores abaixo do praticado pelo mercado. Outros dados da pesquisa, que mostram a dificuldade do profissional independente em manter as finanças em dia com uma renda que varia todos os meses, apontam que:

● 66% dos freelas não conseguem guardar dinheiro todos os meses;
● 59% não conseguem tirar férias;
● 41% não têm nenhum tipo de investimento para aposentadoria.

A Leila Ghiorzi, que é educadora financeira e fundadora do É da Minha Conta, apoiou a realização da pesquisa e fez uma análise sobre esses dados: “quem deseja empreender, geralmente, enfrenta dificuldades, como a desestabilização da economia brasileira, aumento da inflação, mercado instável, muita burocracia, alta tributação e concorrência acirrada. Além disso, a falta de educação financeira contribui ainda mais para que os profissionais freelancers consigam administrar suas finanças e conciliar as contas do seu empreendimento”.

Cabe lembrar que, muitos freelancers empreendem formalmente, como maneira de profissionalizar sua atuação, de ter acesso a um mercado maior ao emitir notas fiscais e de poder contar com benefícios do INSS. Entre os entrevistados, 54% são Microempreendedores Individuais (MEI).

Perfil do Freelancer no Brasil

A pesquisa também permitiu entender um pouco melhor nosso perfil profissional, mostrando como atuamos, como é a nossa jornada de trabalho, entre outras informações.

Em geral, os freelancers vivem nas capitais (60%), têm entre 25 e 34 anos (52%), já tinham experiência anterior na área em que prestam serviços (92%) e recebem até R$ 2 mil mensais pelas atividades exercidas (56%).

E o que podemos tirar de conclusão sobre estes resultados? Especialmente quanto à renda mensal?

O mercado está crescendo e temos a oportunidade de o profissionalizar para que se torne uma opção de carreira atrativa e, principalmente, viável financeiramente. Não podemos dizer que essa seja a realidade hoje, considerando que a maioria dos freelancers recebe abaixo do que o Dieese considera ser o valor de um salário mínimo ideal e que não há planejamento para emergências e para o futuro.

O caminho para chegarmos no cenário ideal ainda é bastante extenso. Para isso, é preciso fortalecer a educação de profissionais e potenciais clientes sobre temas como precificação, modelo de trabalho e entrega dos serviços. Não é fácil, mas, quem sabe, a gente possa fazer isso juntos, como uma comunidade? Aliás, vou gostar muito de saber o que você acha sobre o assunto aqui nos comentários!

Infográfico | Pesquisa Freela$: como freelancers se relacionam com dinheiro?

No infográfico abaixo, você conhece os principais resultados da Pesquisa Freela$, realizada em 2019 com os leitores do Vivendo de Freela e sites parceiros que atuam neste mercado.

infográfico pesquisa freela$: como freelancers se relacionam com o dinheiro

 

Luciane Costa
Formada em jornalismo e apaixonada por conteúdo digital. Virou freelancer porque precisava de uma grana extra e acabou descobrindo que adora trabalhar assim. Gaúcha e morando em São Paulo, é viciada em séries de detetives e adora cozinhar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido por: