Assinar Newsletter

Receba novidades, artigos e dicas especiais.

4 dicas para montar o seu portfólio

Se você é designer, fotógrafo, publicitário ou trabalha na área de comunicação, PRECISA ter um portfólio. Já participei de alguns processos de seleção, recebendo currículos, carta de recomendação, perfis pelo Vagas, Catho, etc etc e na maioria das vezes (99% pra ser bem sincera) ter apenas um CV não é o bastante: você será automaticamente desconsiderado se não tiver uma boa amostra de seus trabalhos.

Mas como ter um bom portfólio?

Neste post vou dar 4 dicas para você montar o seu portfólio relevante para o seu cliente, a partir de experiências que tive buscando tanto freelas quanto trabalhos fixos.

1- Não é necessário colocar todos os trabalhos que você já fez na vida

muita informação
Escolha os mais relevantes, os que você mais se orgulha de ter feito e, de preferência, os que tenham uma marca de peso.

2- Selecione tipos diferentes de projetos

Não limite seu portfólio a apenas um tipo de trabalho. Por exemplo, se você é designer gráfico, escolha uns 2 tipos de anúncios, mais uns 3 tipos de papelaria. Volto a dizer, não é necessário colocar todas as coisas que você já fez, mas sim demonstrar as habilidades que possui da melhor forma.

3- Trabalhos acadêmicos

Assunto delicado. Esse item depende de muitos fatores. Nos meus primeiros semestres na faculdade, quando comecei a aprender novas ferramentas, achava tudo que fazia o máximo – sorte a minha que ainda não tinha um portfólio!

Conforme o tempo foi passando, comecei a ter uma visão mais clara sobre o que era realmente importante e soube diferenciar melhor o que era um trabalho que poderia entrar em um portfólio e tinha um valor comercial de um trabalho mecânico ou artístico.

Portanto, se você ainda não sabe quais trabalhos acadêmicos você pode incluir no seu, se coloque no lugar de um cliente e se pergunte: eu compraria/usaria isso? Alguma empresa usaria isso como identidade de uma campanha?

Na dúvida, espere a faculdade chegar ao fim e coloque apenas o TCC em seu portfólio. Enquanto isso, tente desenvolver trabalhos sozinho, crie um briefing, uma empresa imaginária ou algo do tipo para demonstrar sua experiência. Sad but true.

4- Ferramentas, plataformas, sites, templates, layouts…

Existem infinitas plataformas que você pode utilizar para criar seu portfólio, além de poder começar do zero, desenvolvendo seu layout e programação, deixando-o ainda mais personalizado.

Eu escolhi o Behance por alguns motivos: ser fácil de usar e MUITO prático, integrar com meu LinkedIn e Facebook e, o mais importante, SER GRÁTIS. Eu não tenho um site, nem um blog, nem nada do tipo com o MEUNOME.COM.BR. Tentei várias vezes iniciar um projeto para desenvolver um portfólio, mas, como vocês devem se identificar comigo, a prioridade é sempre entregar um job, então acabamos adiando a realização do portfólio próprio.

No meu caso, isso nunca foi um problema para conseguir freelas: as pessoas queriam ver o meu trabalho, não importava em qual plataforma. Apesar disso, é óbvio que o portfólio precisa estar sempre atualizado. Não leve em consideração isso se você for um desenvolvedor ok? Acredito que é bem importante, além dos trabalhos do portfólio, ter um site só seu, feito por você com a sua cara, ele também servirá de portfólio.

P.S.: Um fato – meu portfólio é no Behance e está desatualizado.

vergonha

Lembre-se:
Se você realizou um trabalho com uma equipe, em dupla ou teve a ajuda de outro profissional (seja fotógrafo, designer ou redator), coloque os créditos para todos eles, isso é muito importante 🙂

modelo de portfolio
E… fica a dica de ver esse vídeo da Lu, com várias dicas para montar um bom portfólio!

 

Você tem mais alguma sugestão para criar um portfólio que dê resultados na busca de freelas? Compartilhe aqui nos comentários!


Lembrando que estamos também no nosso canal no YouTube, com vídeos novinhos sobre a vida de freela. Assina lá para não perder nenhum conteúdo. Também marcamos presença no Facebook, Instagram e LinkedIn. Nesses canais, compartilhamos muitas dicas para ter mais sucesso como freelancer e também para aproveitar todos os benefícios da carreira independente. É claro, também respondemos dúvidas. Só deixar elas aqui nos comentários do post 😃 

Natália Masiero
Paulistana, pisciana, curiosa e designer por formação, já trabalhou em vários lugares e conheceu um pouco de tudo, às vezes até se arrisca na fotografia, começou a se aventurar no mundo da programação há pouco tempo, gosta de viajar, de praia, de muitos livros, ilustração e de desenhos animados. Odeia leite e livros de autoajuda.

Comentários

2 Comentários
  1. postado por
    Como se tornar designer freelancer – Vivendo de Freela
    jul 5, 2016 Reply

    […] é no behance RISOS), selecionei os trabalhos mais importantes (aqui você pode ler mais sobre como montar um portfólio) , fiz um perfil no Linkedin e comecei a divulgar para todos os meus amigos e família os trabalhos […]

  2. Luciane Costa
    postado por
    Luciane Costa
    jun 24, 2016 Reply

    Esse ponto sobre o trabalho acadêmico dá uma dorzinha no coração, mas na maioria das vezes é melhor deixar de lado mesmo…
    É a mesma coisa se pensarmos na hora de montar um CV… ninguém coloca os primeiros estágios entre as experiências depois que se forma e começa a trabalhar em mais lugares.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Desenvolvido por: