Jornalista freelancer: como migrar para a produção de conteúdo digital

jornalista frelancer - a foto mostra uma moça loira e jovem, sentada no chão e encostada em um sofá, trabalhando com um notebook. Ela sorri.

Em um cenário de mudanças e constante digitalização, o jornalismo tradicional viu o seu mercado levar algumas rasteiras nos últimos anos. Além da baixa remuneração — uma velha conhecida desses profissionais — as oportunidades de contratação em campos clássicos, como jornais e revistas, são, hoje, bem limitadas. Foi assim que, de uns tempos para cá, ser jornalista freelancer tornou-se uma opção bem atrativa.

Além disso, se, por um lado, redações fecharam as portas e assessorias tiveram que diversificar os seus serviços, por outro, o mundo cada vez mais digital ampliou a atuação desse profissional. Consequentemente, aumentaram também as possibilidades de viver de freela com a profissão.

A formação em jornalismo segue, portanto, oferecendo habilidades e ferramentas ainda muito requisitadas. Atualmente, esses profissionais encontram espaço, sobretudo, em um mercado bem promissor: o de marketing de conteúdo

Neste post, vou dar algumas dicas para quem quer se tornar jornalista freelancer e trabalhar com produção de conteúdo — e também para quem ainda está em dúvida sobre qual carreira seguir dentro do jornalismo!

Por que investir em ser jornalista freelancer no mercado de conteúdo digital 

Entre as grandes transformações que assistimos nos últimos tempos, a expansão da internet e o uso que se passou a fazer dela foram, sem dúvida, algumas das mais marcantes. Hoje, estar presente no ambiente online é obrigatório não apenas para as pessoas, mas, principalmente, para as empresas.

Com a transferência da audiência para a web, foi preciso encontrar formas de atrair consumidores e, com essa finalidade, surgiu o Inbound Marketing. Uma das principais estratégias dessa metodologia consiste em investir na oferta de conteúdo relevante para despertar a atenção dos usuários. 

Assim, tornou-se fundamental no mercado um profissional para produzir esse conteúdo. Como negócios, sites, plataformas digitais e blogs surgem a todo momento, a demanda por essa figura não para de crescer. Isso significa que trabalho nesse campo de atuação não costuma faltar.

Como a formação em jornalismo traz qualidade ao conteúdo produzido

Embora, normalmente, não sejam exigidos requisitos relativos à formação do profissional de marketing de conteúdo, o jornalista freelancer se encaixa muito bem nesse perfil. E mais: ele tem condições de realizar um trabalho diferenciado na área.

Estar ligado no que acontece no mundo, gostar de aprender sobre vários temas, se atualizar constantemente e ter um ótimo texto são algumas das características fundamentais de um freelancer de conteúdo. A semelhança com “atributos” frequentes de jornalistas pode até ser mera coincidência, mas — vai por mim — você pode usá-los a seu favor e se dar muito bem com isso!

O jornalista freelancer costuma desenvolver, ainda, outras habilidades e conhecimentos que garantem a produção de um conteúdo digital mais qualificado, como noções de:

  • Apuração e pesquisa;
  • Busca e utilização de fontes (confiáveis!);
  • Hierarquia de informações;
  • Objetividade e coerência textual.

E isso apenas para citar alguns diferenciais que esses profissionais têm e que os tornam capacitados e competentes para atuar nessa área de forma eficaz.

Como ser jornalista freelancer na área da produção de conteúdo

Dito isso, vamos às dicas para você se tornar um jornalista freelancer e começar a trabalhar com produção de conteúdo digital:

1. Informe-se sobre a vida de freelancer

Antes de tudo, a primeira coisa que eu diria para quem deseja atuar de forma independente como jornalista é: informe-se sobre o que significa, na prática, ser freelancer. É muito comum as pessoas idealizarem o trabalho autônomo e o home office. No entanto, se você pesquisar um pouco em sites e canais, como o Vivendo de Freela, vai ver que nem tudo são flores.

Existem muitas vantagens em uma carreira desse tipo — e vários desafios. Por essa razão, não é todo mundo que consegue se adaptar.

É essencial se informar e conhecer a realidade de um jornalista freelancer para começar já ciente não só dos benefícios, mas também dos dificuldades que você vai enfrentar no dia a dia.

2. Estude sobre produção de conteúdo digital

Se você está decidido a ser jornalista freelancer de conteúdo, o primeiro passo é se aproximar da área. Considerando que a maioria das oportunidades são relacionadas ao Inbound Marketing, estudá-lo é um ótimo ponto de partida, especialmente para quem não tem familiaridade com o assunto. 

Quando eu comecei a atuar como redatora, o mercado ainda não era tão concorrido e pude aprender muito na prática. Hoje, isso é mais difícil, logo, ter uma certificação é importante. Nesse sentido, há possibilidade de fazer cursos pagos ou gratuitos com conteúdos abrangentes sobre o tema. 

3. Comece a colocar em prática o que aprendeu

Como qualquer outra atividade, a produção de conteúdo também precisa de prática. Você pode ter experiência em escrever textos, mas o conteúdo digital tem características específicas que devem ser internalizadas. 

Colocar a mão na massa vai fazer toda a diferença para lapidar a sua habilidade. Comece a produzir conteúdo para um projeto pessoal ou simplesmente a fazer o exercício de escrever ideias em formatos digitais (posts, artigos etc). 

Muita gente inicia a carreira trabalhando de forma voluntária. Essa pode ser uma opção, com um grande porém: escolha bem para quem você vai oferecer os seus serviços gratuitamente. Afinal, trabalhar de graça para empresas que poderiam contratá-lo não faz o menor sentido

4. Vá em busca de clientes e divulgue o seu trabalho

É verdade que, apesar de ser uma área com muitas oportunidades, conseguir os primeiros clientes como jornalista freelancer em produção de conteúdo digital não é tão simples. Assim, as plataformas de freelas podem ser interessantes para dar os primeiros passos na carreira.

Entretanto, depois de acumular alguma experiência, é muito provável que você prefira ir atrás dos seus próprios clientes. Nesse sentido, será importante ter um bom networking e, é claro, divulgar o seu trabalho. Falar com amigos, familiares e conhecidos, entrar em grupos de divulgação de oportunidades na área, criar suas redes sociais ou um site próprio: há várias formas de fazer isso.

Eu, particularmente, acredito que a maneira mais eficiente de divulgar o seu serviço como jornalista freelancer é entregar um trabalho de qualidade. Desse modo, além de manter os clientes já conquistados, é muito provável que você seja indicado por eles para outras empresas que precisam de conteúdo.

Bônus: É possível se realizar como jornalista freelancer produzindo conteúdo? 

Não vou negar que, assim que terminei a faculdade de jornalismo, há dez anos, sentia arrepios ao ouvir a palavra “marketing”. Mas, caso você ainda não saiba, a vida pode ser bem irônica e, ao mesmo tempo, surpreendente — e, acredite, de uma forma bem positiva!

Penso que a minha frustração com o jornalismo tradicional e com o mercado formal de trabalho é assunto para outro artigo. Contudo, acho importante dizer para quem deseja ser jornalista freelancer que a produção de conteúdo digital pode, sim, ser uma forma de se realizar na profissão.

Não acredito que o marketing de conteúdo seja o futuro do jornalismo, como já ouvi por aí. No entanto, considero que ele tem, hoje, um papel importante e possa ser, sim, um caminho para quem gosta de escrever e é comprometido com a qualidade do que produz.

Por fim, além de ser uma possibilidade de mercado para jornalistas fora das redações e das assessorias, a carreira é uma alternativa promissora para quem deseja atuar como freelancer.

Jaqueline Crestani

Jaqueline Crestani

Formada em jornalismo, trabalha com produção de conteúdo para sites e blogs e com tradução de italiano. Depois de morar mais de três anos no país da "bella vita", descobriu que, além de escrever, também ama traduzir e cozinhar.
Jaqueline Crestani

Jaqueline Crestani

Formada em jornalismo, trabalha com produção de conteúdo para sites e blogs e com tradução de italiano. Depois de morar mais de três anos no país da "bella vita", descobriu que, além de escrever, também ama traduzir e cozinhar.

COMPARTILHE ESTE POST

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

VEJA TAMBÉM